quarta-feira, 30 de novembro de 2016

TJRN retoma investigações da operação ‘Dama de Espadas’ e desmembra apurações em relação a nove deputados estaduais

Imagem ilustrativa
O desembargador Cornélio Alves, do Tribunal de Justiça do RN, determinou a retomada das investigações relacionadas à operação ‘Dama de Espadas’ e autorizou o desmembramento das apurações no TJRN em relação aos deputados estaduais Ezequiel Ferreira de Souza, Álvaro Dias, Nélter Queiroz, Getúlio Rêgo, Ricardo Motta, Raimundo Fernandes, Márcia Maia, Gustavo Carvalho e José Adécio, detentores de foro por prerrogativa de função.

A decisão diz respeito a procedimento investigatório criminal, que continuará tramitando junto ao Tribunal de Justiça e será remetido ao procurador-geral de Justiça, que deverá concluir as investigações no prazo de sessenta dias ou, finalizado este prazo, requerer fundamentadamente a sua prorrogação.

O relator Cornélio Alves disse que “embora siga em segredo de justiça, devido alguns documentos trazidos aos autos, não há imposição legal para ocultação dos nomes dos até então investigados, ou dos provimentos jurisdicionais, já que, na regra do processo penal, é a publicidade dos atos processuais e a lei só poderá restringi-la quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem.

A operação ‘Dama de Espadas’ foi deflagrada pelo Ministério Público Estadual e pela Delegacia Especializada em Investigações de Crimes contra a Ordem Tributária (Deicot), visando apurar possíveis práticas criminosas na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

Pelo MP, a operação descortinou um “esquema estruturado no âmbito da Assembleia Legislativa deste Estado, através do qual uma refinada associação criminosa composta por alguns servidores público do órgão, com auxílio de um gerente do Banco Santander, se utilizavam de cheques salário como forma de desviar recursos em benefício próprio ou de terceiros”. O Ministério Público alega que as remunerações destinados a servidores fantasmas eram revertidas aos próprios agentes políticos, às suas campanhas, ou a terceiros.


Parceiro anunciante

Nenhum comentário:

Postar um comentário